Recentemente um dos frequentadores da minha timeline enviou um email para mim questionando se o que ele tinha visto dentro de uma clínica veterinária da cidade dele era legal ou não. Vamos conhecer a situação mais de perto?

O nosso amigo disse que ao entrar em uma sala de espera da clínica veterinária de sua cidade ele observou que em cima do quadro de avisos da clínica, onde ficavam os documentos, preços de procedimentos e outras informações de rotina; a veterinária proprietária da clínica tinha colocado uma placa que assim dizia:

“Consulta: R$ 100,00 Olhadinha: R$ 500,00”

E você já viu este tipo de placa em alguma clínica ou consultório veterinário na sua região?

Mas o que está por trás deste tipo de comportamento que surge entre os profissionais da Medicina Veterinária em vários pontos do Brasil?

Conversamos com vários veterinários de todo o Brasil, com diretores de entidades de classe e com muitos proprietários de animais de estimação para entender o que está acontecendo na relação entre aquele que é o responsável legal pelo animal de estimação e aquele que é o profissional mais capacitado para garantir o bem estar e a sanidade de seu melhor amigo.

Nos últimos 25 anos vimos um crescimento desordenado do mercado pet, por um lado o boom dos petshops e lojas de produtos para animais de estimação que foram criminosamente indicados e valorizados como a grande solução de investimento no mercado de serviços. Por outro lado, o crescimento inexplicável e muito suspeito das liberações de cursos de veterinária pelo MEC que inundaram o Brasil com mais de 330 faculdades de Medicina Veterinária lançando profissionais às centenas a cada semestre em um mercado saturado.

Não podemos deixar de citar ainda que paralelo a estas situações, temos ainda os charlatões e práticos, e agora alguns recém saídos de cursinhos livres de Auxiliar Técnico de Veterinária, que praticam ilegalmente o exercício da Medicina Veterinária e “receitam” medicamentos e até mesmo realizam cirurgias e vacinações.

Neste cenário alguns proprietários de animais de estimação acabam desenvolvendo comportamentos que podem ser agrupados em algumas condutas:

  • Acham que o Médico Veterinário por gostar de animais deve atender de graça animais abandonados, animais de pessoas carentes e mesmo os dela!
  • Acham que o Médico Veterinário não necessita de exames para ajudar no diagnóstico.
  • Acham que o Médico Veterinário não precisa de uma consulta e sim uma olhadinha para dar uma dica ...

Muito do problema também é responsabilidade dos Médicos Veterinários que não souberam impor os limites certos de seu profissionalismo perante aos seus clientes e perante a sociedade como um todo..

Quem, dos profissionais veterinários que estejam lendo esse texto não teve que dar uma opinião sobre o cachorro da tia, do vizinho e do amigo e ainda não ouviu a frase : “Ué, você não é veterinário?!?!? Tem que saber!”

O que queremos discutir aqui é que o profissional médico veterinário investiu recursos, tempo e muito dinheiro em sua formação profissional, e, como prestador de serviços como um advogado, encanador , médico ou mecânico; deve ser remunerado pela prestação de seu serviço, no caso o serviço veterinário em questão.

Mas o que há por trás do hábito da olhadinha?Vamos ver as possibilidades...

  • Tentativa de economia?
  • Falta de respeito pelo profissional?
  • Falta de respeito pela vida de seu animal de estimação?
  • Falta de conhecimento sobre o papel do médico veterinário na sociedade?
  • Falta de conhecimento sobre suas responsabilidades legais enquanto dono de um animal de estimação?
  • Hábito adquirido?

Infelizmente muitos proprietários não reconhecem em seu médico veterinário um profissional capacitado a cuidar de seu animal de estimação e ser remunerado por isso, e agem como se fossem donos do conhecimento, e emitem opiniões como:

“ Ah doutor é só uma coceirinha simples...”
“ Doutora, é uma dor de barriga passa rápido, vê um remedinho e pronto”
“ Ué vai cobrar? Mas é só um cachorro?!?!?”
“ Não precisa consultar não, é só uma olhadinha, esse tumor apareceu do nada!”

Muitos profissionais se sentem ofendidos com colocações como essa, mas tentam mostrar de uma forma mais educada a importância do papel do Médico Veterinário nesta relação tão especial chamada Homem-Animal.

Outros colegas já em um tênue limite entre o profissionalismo e a decepção, apelaram pelo protesto das placas e anúncios nas clínicas que originaram o texto deste especial.

“ Como é possível que alguém espere que em uma olhadinha eu consulte, dê um diagnóstico e prescreva um tratamento? Só se eu fosse super dotado, médium ou um ET!”
“ A Olhadinha é o mesmo que pedir que eu dê de graça todo o conhecimento que eu tenho para vender, afinal é para isso que eu me formei, é esse meu ganha pão!”

Perguntados se ações como essa não estimulariam os clientes a buscar informação com balconistas e até mesmo alguns tosadores irresponsáveis, a maioria dos veterinários entrevistados para a matéria disse que esse tipo de cliente é um irresponsável com a vida dos animais sob sua tutela, mas que é o tipo de cliente que eles não precisam e nem querem ter, pois trazem problemas e mais problemas.

E muitos retornam quando a situação se agrava ao terem usado medicamentos receitados por vizinhos, amigos e balconistas leigos, e surpreendentemente esperam que o veterinário ainda resolva o mais rápido possível, como num passe de mágica.

Ter um animal de estimação é uma responsabilidade, e sabemos dos custos envolvidos, e o proprietário de animal de estimação que passar por uma situação econômica desfavorável , não precisa usar desse subterfúgio, nosso conselho é que converse com seu veterinário e estipule uma maneira de pagar parceladamente pelo serviço, pois sempre com uma boa conversa e um entendimento, a solução poderá surgir mais fácil e rápida que uma simples olhadinha..pense nisso!

Afinal neste exato momento o seu melhor amigo está ao seu lado, dependendo de você... Cuidar dele da maneira correta é mesmo o melhor caminho.
Cuidado com o atendimento leigo, pois de boas intenções o inferno está cheio!
Você assumiu a responsabilidade pela vida dele...

Menos I-Phones e mais responsabilidades no seu orçamento que tal?

Pense nisso!

pense nisso

Fundador - Sergio Lobato Consultoria. Médico Veterinário formado pela Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro, Pós Graduado em Marketing e Estratégia pela Universidade Estácio de Sá, Colunista em Revistas e Blogs. Autor da Manual de Responsabilidade Técnica para Clínicas e Petshops e Consultor atuante em toda cadeia produtiva pet e veterinária no Brasil e Exterior.

by: